Tribunal Eleitoral concede registro ao partido de Marina Silva

    às: 23:56 , atualizado em 05 de novembro às: 0:06
    213
    0
    Da Redação e da Agência Brasil
    zeitune
    O advogado Alexandre Zeitune, de Guarulhos, exibiu a bandeira da Rede nos corredores do TSE, em Brasília

    O Tribunal Superior Eleitoral aprovou por unanimidade, na noite desta terça (22), o registro da Rede Sustentabilidade, partido da ex-senadora petista Marina Silva, que já poderá lançar candidatos em 2016.

    O registro foi comemorado por coordenadores guarulhenses da Rede, como o advogado Alexandre Zeitune, possível candidato a prefeito, que exibiu a bandeira do partido nos corredores do TSE em Brasília.

    “Uma vitória muito importante para o nosso País. Um partido fundado pelo trabalho do povo, recolhendo voluntariamente as assinaturas, sonhando com a mudança na política do nosso Brasil”, escreveu ele no Facebook.

    O registro negado pelo TSE, em outubro de 2013, foi o principal motivo que obrigou Marina a sair candidata a presidente da República pelo PSB, em 2014. Ela ficou em terceiro lugar.

    O registro foi negado, na época, por não ter reunido o número mínimo de assinaturas exigido pela Justiça, de 484.169.

    Em maio de 2015, a direção da Rede entregou mais 56 mil assinaturas, chegando a 498 mil.

    O ministro Gilmar Mendes arrancou aplausos dos presentes à sessão quando disse que Marina “teve, por duas vezes, mais de 20 milhões de votos em eleições presidenciais”, mas não conseguiu registrar seu partido.

    “Enquanto isso, legendas de aluguel logram receber esse registro, para constrangimento desse tribunal”, acrescentou o ministro.

    Ele também criticou a decisão de 2013 do TSE e, sem citar nomes, falou na dificuldade de Marina se candidatar a presidente em 2014.

    ACIDENTE

    Isso só ocorreu após a morte de Eduardo Campos, num acidente aéreo em Santos, no dia 13 de agosto de 2014.

    MARINA-5-10-14
    Marina Silva: um partido para chamar de seu

    Marina, que era candidata a vice-presidente de Campos, após um acordo com o ex-governador de Pernambuco, assumiu a liderança da chapa do PSB.

    Gilmar Mendes não economizou nas críticas ao próprio TSE. “O partido sofrera um notório abuso e era preciso que nós reconhecêssemos e deferíssemos o registro naquelas circunstâncias”.

    “Tanto fizeram para evitar que essa mulher fosse candidata, e ela acabou sendo candidata em circunstâncias trágicas. Marina perdeu as eleições, mas ganhou a nossa admiração. Portanto, perdeu ganhando”, disse o ministro, citando uma frase da própria Marina durante a campanha.

    O presidente do TSE, ministro Dias Toffoli, lembrou que, com a criação da Rede, o Brasil conta agora com 34 partidos.

    Disse ainda que se o sistema não for rediscutido “cada deputado vai querer ser um partido político”.

    SEM COMENTÁRIOS