Lula se compara a uma ‘jararaca’ e convoca petistas a correr o país

    às: 15:06 , atualizado em 04 de março às: 17:41
    141
    0
    Da Redação
    lula4-TVT
    Lula discursa aos petistas no PT de São Paulo, depois de prestar depoimento por mais de 4 horas à Polícia Federal

     

    Em discurso no diretório do PT em São Paulo, na tarde desta sexta (4), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva convocou o partido, a CUT e o MST a “convidá-lo” a percorrer o país, a partir da próxima semana, para se defender das acusações da Operação Lava Jato.

    Ele disse que seu depoimento desta sexta (4) à Polícia Federal foi apenas um “show midiático”e se comparou a uma jararaca, golpeada no rabo e não na cabeça. “A jararaca está viva”.

    Num longo discurso, anunciado como entrevista coletiva (na qual não respondeu a nenhuma pergunta), ele repetiu seus velhos bordões sobre o “preconceito” das elites contra os pobres e esforçou-se para reanimar a militância petista.

    Sem ser perguntado, insinuou que será candidato a presidente em 2018. “Eu não sei se vou ser candidato ou não mais uma vez”.

    Segundo ele, o suposto “show midiático” teria apenas o objetivo de barrar sua candidatura presidencial em 2018 – mas não completou o raciocínio, deixando no ar se poderá ser candidato ou não.

    “Eu estou com 70 anos e achava que poderia me aposentar e só ser apenas cabo eleitoral…eu acho que só existe uma intenção nesse comportamento que foi colocado hoje pelo MP, que é muito grave”, disse.

    Lula então mudou de assunto e explorou outro tema: “No dia 5 de janeiro, suspendi as férias para ir a Brasília para falar a convite da PF. Portanto, se o MP ou o juiz Moro quisessem falar comigo, era só me chamar”.

    O ex-presidente criticou o Ministério Público e, de forma velada, o juiz Sérgio Moro, que determinou sua condução coercitiva para depor à PF.

    “Estamos vivendo um processo em que a pirotecnia vale mais do que qualquer coisa, o que vale mais é o show midiático do que a apuração séria e responsável”, disse.

    Voltou a reclamar do que seria “puro preconceito” contra pobres e contra pessoas que, como ele, “vieram de baixo”.

    Reclamou da investigação “dos pedalinhos de R$ 2 mil”  – uma referência ao sítio de Atibaia, que o MP suspeita pertencer a Lula, embora em nome de terceiros.

    Disse que o sítio de Atibaia é do seu colega, ex-sindicalista Jacó Bittar. “Eu só estou usando a chácara”.

    Disse ainda que o triplex do Guarujá “eles dizem que é meu, mas não é meu”.

    Repetiu, assim, os argumentos genéricos com que o Instituto Lula tem se manifestado a respeito desses imóveis nas últimas semanas.

    E insistiu nos seus velhos temas. Disse que foi o beneficiário de “cinco milagres”. O primeiro, disse, foi escapar “de morrer de fome aos 5 anos de idade”.

    O quarto “milagre”, acrescentou, foi ter sido eleito presidente da República. “E o quinto milagre foi eu ter sido um presidente melhor do que todos os outros”.

    Por fim, encerrou a entrevista, sob aplausos de petistas, ao dizer:”Não devo e não temo”.

     

    SEM COMENTÁRIOS