Os porquinhos

    às: 15:31 , atualizado em 08 de setembro às: 15:31
    152
    0

    Gosto muito de bichos. Tenho uma coleção de gatos, todos SRD (Sem Raça Definida), ou seja, bichos que precisavam ser adotados.

    Cuido bem deles, e de fato me divertem e alegram. Vez ou outra, confesso, converso com eles.
    Sempre tive bichos, desde pequena. Cão, gato, coelho, esquilo, pássaros, tartaruga e até uma cobra. Sim, eu era uma criança estranha e minha mãe uma educadora.

    Podíamos ter os bichos, se cuidássemos. Mas havia regras claras. “Bicho não é gente”, repetia minha mãe a cada tentativa de humanizá-los de qualquer forma.

    Então, o caminhão com cento e tantos porcos capota no Rodoanel. Sim, é um enorme transtorno e não é condenável que as pessoas assim considerem.

    Os porcos iam para o abate. Sei que aperta o coração quando pensamos na cena em si, mas comer um lombinho não é crime, e nem ao menos condenável.

    Comemos carne, então matamos bichos. Outros animais também fazem isso. Informo aos veganos, ativistas, protetores que animais também são carnívoros, e não há chance de virarem vegetarianos sem interferência humana. Há pessoas que transformam seus pets em vegetarianos!

    Enfim, uma montanha de gente, mais de uma pessoa por porco, se mobilizou para socorrer os bichos.

    Fiquei pasma com a rapidez com que a coisa se deu. De fato, um exemplo de organização e eficiência.

    Os porcos estavam sofrendo, haviam se machucado, estavam espremidos naquela carroceria tombada.

    Acompanho a história. Alguns porcos morreram, outros tantos se feriram e uma boa parte passa bem. Estão num santuário de animais em São Roque.

    Escaparam do abate. Até aqui, tudo muito bom. Os voluntários passaram a noite cuidando dos animais.

    Então, a dona do santuário, que obviamente é vegana, e acho que faz todo o sentido, coerente com seu modo de vida e com o trabalho que escolheu, pede que a reportagem não identifique onde fica o local, “para a segurança das porcas”.

    Como assim? Qual segurança? Ah, entendo! Caso o dono dos bichos queira reavê-los. Desculpe, mas são ativistas ou ladrões? Os porcos têm dono. Alguém que investiu nisso para pagar suas contas e tocar a vida. O direito à propriedade é constitucional.
    Mas, coitados dos bichos, serão abatidos! De fato. O que não dá o direito de “sequestrarem” os porcos, certo?

    Sigo lendo. A seguir, a mesma dona do santuário solta a pérola do dia – não a única, é claro. “A culpa é também das pessoas que comem carne…” Ora esta! Era o que faltava. Somos culpados de sermos carnívoros?

    Respeito e compreendo a escolha de eliminar animais e seus derivados da alimentação. É uma fé. Tenho todo o respeito pela fé. Agora, acho que tolerância cai bem a todos, e o momento pede.

    Não, não tenho nada a ver com o fato de o caminhão ter tombado e os porcos terem se ferido, e, e, e… Eu como lombinho, e gosto!

    Para finalizar meu incômodo com a coisa toda, leio que, em menos de 24 horas, conseguiram doações de R$ 155 mil para ajudar no custeio dos porquinhos.

    Nada contra. Só lembrando que com esse dinheiro poderíamos custear 40 crianças, por um ano na escola, segundo valor mínimo do Custo Aluno-Qualidade (CAQi), de R$ 3.771.

    A se pensar…

    SEM COMENTÁRIOS