Governo libera R$ 3 bi para renovar frota de ônibus e mostrar que não está parado

às: 15:58 , atualizado em 14 de dezembro às: 16:03
318
0
Da Agência Brasil e da Redação

O presidente Michel Temer lançou nesta terça (13), no Palácio do Planalto, um programa para a renovação de parte da frota de ônibus coletivos no país.

A notícia tem impacto direto nos empregos dos metalúrgicos do Grande ABC, especialmente os da Mercedes Benz, um dos maiores fabricantes de ônibus do Brasil.

O Refrota 2017 investirá R$ 3 bilhões do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para a produção de 10 mil veículos novos.

A meta do governo é modernizar 10% da frota nacional. Hoje, o Sistema de Transporte Coletivo tem 107 mil ônibus, que transportam mais de 30 milhões de brasileiros por dia.

Temer, no Palácio do Planalto: o País não pode ficar parado, à espera das investigações da Lava Jato

Em seu discurso, Temer afirmou que os problemas políticos e as investigações da Operação Lava Jato não podem parar a economia do país.

“Quando eu digo que o Brasil não ficará paralisado, contra o argumento eu apresento um fato: propostas apresentadas ao Congresso e os valores sendo disponibilizados para crescimento do país”, disse.

Citou, além do programa de renovação das frotas de ônibus, a liberação de mais R$ 5 bilhões em créditos do BNDES para pequenas e médias empresas.

E concluiu: “Nós vamos prosseguir com os mesmos critérios, todos os dias do ano, para que daqui a dois anos se possa dizer: O Brasil venceu”.

FGTS

Segundo o ministro das Cidades, Bruno Araújo, o programa autoriza bancos a acessar recursos do FGTS para o Programa de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade Urbana (Pró-Transporte).

“O programa não só vai gerar empregos nas montadoras, mas também um incremento de serviços”, disse o ministro.

As 1.800 empresas que atuam no transporte coletivo no Brasil são responsáveis, segundo o governo, por 537 mil empregos diretos.

As garantias e os prazos de carência ainda serão discutidos pelo FGTS, o Ministério das Cidades e as empresas.

Os bancos poderão ser escolhidos pelos interessados no financiamento. “A contrapartida mínima permanece em 5% do valor total do investimento”, informou o ministério, em nota oficial.

 

SEM COMENTÁRIOS