Governo da Alemanha exige que Volks revise todos os seus veículos

    às: 19:40 , atualizado em 04 de novembro às: 19:42
    156
    0
    Da Agência Brasil/Agência Lusa
    volks
    Volkswagen de São Bernardo: escândalo pode ter atingido também veículos vendidos no Brasil; empresa nega

    ministro dos Transportes alemão anunciou nesta quarta (4) que a Volkswagen terá que rever, sob supervisão estatal, todos os seus modelos de veículos.

    A Volkswagen alemã já admite que a adulteração de seus motores para informar uma emissão menor de poluentes nos testes oficiais pode afetar até 800 mil veículos em todo o mundo, inclusive no Brasil.

    O objetivo do governo alemão é determinar o impacto das emissões de CO2 dos motores nas metas de proteção ambiental do governo e na arrecadação de impostos do governo do país.

    Alexander Dobrindt disse que uma emissão maior de poluentes implica um imposto de circulação mais alto, o que poderia representar um encargo maior para os clientes da montadora.

    “Confio que chegaremos a uma solução que não afete os clientes da Volkswagen. Esta tem a obrigação de evitar que haja novos gastos para os seus clientes”, afirmou.

    A Volkswagem envolveu-se num dos maiores escândalos corporativos da história da indústria quando autoridades dos Estados Unidos constataram que motores de seus veiculos estariam equipados com um adulterador de emissões de poluentes.

    As agências de conservação do meio ambiente americanas descobriram que alguns motores foram equipados com um engenhoso software que permitia identificar quando o carro estava sendo submetido a um teste de poluição.

    Assim, quando em fase de testes, o software deliberadamente fazia o motor emitir uma carga menor de poluentes, enganando os sensores e as autoridades ambientais.

    Já quando o carro voltava às ruas, o motor emitia uma carga de poluição superior às metas do governo dos Estados Unidos.

    A direção da Volkswagen admitiu a fraude nos EUA e em outros países. O escândalo levou à demissão do presidente mundial da empresa, Martin Winterkorn, no dia 23 de setembro.

    Desde então, a empresa luta contra a queda contínua do valor de suas ações e a desconfiança de usuários e consumidores do mundo todo.

     

    SEM COMENTÁRIOS