Empresa estadual diz que vai à Justiça para desbloquear

às: 19:49 , atualizado em 05 de novembro às: 0:07
203
0
Da Redação
corredor01
Corredor Cecap-Vila Galvão: obra estava pronta desde o início do ano, mas operação sofreu vários adiamentos

A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) confirmou, nesta terça (8), que irá à Justiça contra a Prefeitura de Guarulhos para desbloquear o Corredor de Ônibus Parque Cecap-Vila Galvão.

Em nota enviada ao Portal Público Online às 19h, a empresa do governo do Estado disse que dará entrada com a medida judicial ainda esta semana “para garantir a operação das linhas intermunicipais em todo o trecho Cecap–Vila Galvão”.

A EMTU informou que, nesta terça, a Prefeitura instalou cavaletes e fitas isolantes em cinco estações de embarque e desembarque entre a parada Padre Celestino e o Terminal Parque Cecap.

A alegação da Prefeitura foi falta de segurança nos trechos interditados, o que foi negado pela empresa estadual.

Foi o primeiro dia útil de operação do trecho de 12,3 km do Corredor, inaugurado no dia 31 de agosto pelo governador Geraldo Alckmin, sem a presença de autoridades da Prefeitura.

SILÊNCIO

Até 19h30 desta terça, a Secretaria de Transportes e Trânsito ainda não havia respondido aos questionamentos do Público Online a respeito do impasse, enviados às 12h44.

No portal da Prefeitura e na página da STT também não havia qualquer referência ao bloqueio das pistas do Corredor e nem aos motivos de tal decisão.

Segundo a EMTU, “mesmo com esta dificuldade imposta pela Prefeitura”, a Linha 802 (Metrô Tucuruvi-Terminal Taboão) completou o percurso em 52 min, superando a média anterior de 70 min.

A empresa estadual  voltou a refutar os argumentos da Prefeitura para bloquear o trajeto de ônibus no Corredor.

E voltou a dizer que parte das alegações seriam de responsabilidade da própria Prefeitura, caso da iluminação das paradas e da instalação de novos semáforos.

VISTORIA

Na manhã desta terça, o presidente da EMTU, Joaquim Lopes, veio a Guarulhos verificar os bloqueios. Ele percorreu todo o trecho.

Alguns dos cavaletes foram arrancados da pista pelo vereador oposicionista Geraldo Celestino e seus assessores.

Embora perguntada, a EMTU não confirmou se Joaquim Lopes se encontrou com alguma autoridade da Prefeitura, durante sua vinda a Guarulhos.

Segundo Geraldo Celestino, os bloqueios foram instalados por ordem do secretário municipal de Transportes e Trânsito Atílio Pereira, com “aval” do prefeito Sebastião Almeida.

DIVERGÊNCIAS

Os cavaletes na pista do corredor são o último capítulo de uma longa série de divergências entre a Prefeitura e a EMTU.

A obra do trecho Cecap-Vila Galvão estava praticamente pronta desde o início do ano, mas a data de inauguração sofreu sucessivos adiamentos.

O impasse chegou ao auge no dia 18 de maio, quando a Prefeitura embargou as obras, que estavam na iminência de ser inauguradas.

O embargo só foi levantado um mês depois, no dia 22 de junho, após novas negociações entre a Prefeitura e a EMTU.

Dois meses depois, no entanto, a indefinição persistia, até que o governador decidiu inaugurar a obra.

 

Veja íntegra da nota da EMTU desta terça (8/9):

A EMTU/SP informa que vai entrar com uma ação judicial ainda esta semana para garantir a operação das linhas intermunicipais em todo o trecho Cecap–Vila Galvão do Corredor Guarulhos–São Paulo, assim como nas 16 estações de embarque e desembarque.

Nesta terça-feira (8), primeiro dia útil de operação no trecho, os usuários enfrentaram dificuldades para acessar as paradas de embarque e desembarque porque a Prefeitura de Guarulhos interditou, com fitas e cavaletes, cinco paradas entre o Terminal Cecap e a Parada Padre Celestino.

A medida foi testemunhada pelo presidente da EMTU/SP, Joaquim Lopes, que esteve no Terminal Vila Galvão e percorreu todo o trecho até o Terminal Cecap.

Mesmo com esta dificuldade imposta pela prefeitura, a Linha 802, (Metrô Tucuruvi/Terminal Taboão), que antes fazia a viagem em 70 minutos, realizou o trajeto em 52 minutos nesta terça-feira chuvosa, integrando com outras 11 linhas metropolitanas que possibilitaram conexão com os terminais Armênia, Penha, São Miguel, Poá e Tucuruvi.

Em 4/9, véspera do início da operação das linhas intermunicipais gerenciadas pela EMTU/SP que operam integradas com a Linha 802, a Prefeitura enviou ofício à EMTU alegando que o trecho estaria impossibilitado de operar por falta de segurança para os usuários no embarque e desembarque.

A alegação não procede, já que 95 ônibus com porta à esquerda estão prontos para circular. Além disso, foram instaladas 170 m² de placas de advertência e orientação (sinalização vertical ) e 15.107 m² de faixas de trânsito (sinalização horizontal), além de rampas para acesso de cadeirantes e faixas de travessia que aumentam a segurança do pedestre no entorno do Corredor.

Providências complementares solicitadas há semanas e que são responsabilidade da Prefeitura, tais como a energização das paradas e da nova rede semafórica, ainda não foram efetivadas.

 

 

SEM COMENTÁRIOS